Os Yaraví de Arequipa, breve história

O yaraví é um canto muito praticado na época colonial. Mariano Melgar de Arequipa foi um dos grandes cultistas e talvez o mais reconhecido. Nesse sentido, ao falar de Arequipa, é inevitável não falar do poeta, mártir e herói da independência, junto com os famosos yaravíes, canções e poemas que se tornaram muito parecidos com a troba.

Yarawi Expressão atual Arequipa


Os yaravíes são populares graças a um de seus principais cultistas, Mariano Melgar Valdivieso. No entanto, essa música também é praticada em outras cidades como Cusco, Huamanga, Huánuco, Ancash, Cajamarca e Lima, além de outros países como Argentina e Equador. Em termos de prática, essas canções são muito semelhantes à trova espanhola. O estilo inicial foi mudando ao longo dos anos e também na forma de expressá-lo em todas as cidades.Segundo Diego Gonzales Holguín (1608) que estudou a língua Quechua por 25 anos durante a época do assentamento colonial “Harawi”, pode representar as seguintes definições.

Yuyaykukuna Canções de memória
Waynarikuna Canções de ações de outros ou memória de entes queridos ausentes e amor e passatempo
Wañupaq harawi Canção de lamentações
Allin harawi o llunpaq harawiquy Canções, cante as novas divinas

Início do yaraví de Arequipa

Inicios del yaraví
Guitar, lonccos hat

Quando se fala em Yaraví é difícil precisar se é uma canção ou mais precisamente um poema acompanhado por instrumentos musicais. A métrica livre (em novas criações) e o canto quase recitado tornam-na uma expressão bastante melancólica. Onde o sentimento de saudade e a saudade do amado colocam qualquer coração em apuros.

Estima-se que foi cultivada desde a época dos incas. Durante o auge do Tahuantinsuyo, dois tipos específicos de canções podem ser encontrados. O Haylli e o Harawi ou Aravi. A primeira delas foi especialmente para canções históricas que narram as batalhas ou momentos épicos travados por soldados ou generais do império. Essas músicas foram acompanhadas por tambores e instrumentos de percussão. Enquanto o segundo, tinha um tom mais melancólico, canções que falavam de acontecimentos ou lembranças de outros, de entes queridos ausentes, e canções dirigidas aos entes queridos ou saudosos. Estas canções eram acompanhadas por instrumentos de sopro como a quena, entre os quais ocorria uma espécie de acompanhamento e dualidade.


yaraví de Arequipa durante a conquista

Porém, alguns preferem entender que o harawi ou jarawi, até antes da chegada dos espanhóis representava uma canção de expressão espontânea onde a tristeza se manifestava para narrar o que estava acontecendo. Segundo a maioria dos cronistas, eles contavam histórias de profundo luto, tanto individual quanto coletivo. Portanto, não seria estranho pensar que as canções mais melancólicas foram transmitidas de boca em boca, conseguindo persistir até hoje. Alguns estudos relatam que os Yaravíes adquiriram um tom melancólico e triste desde que os indígenas sofreram as piores violações contra sua integridade e a pouca justiça que receberam.


O yaraví de Arequipa durante a colônia espanhola

Homenaje a Mariano Melgar
Homenagem a Mariano Melgar

Durante o início da colônia espanhola e a castilianização da região de Arequipa durante o século XVII. A primeira essência dos Yaravíes foi quase completamente absorvida. Segundo a história, Arequipa era habitada por pessoas não muito ricas ou grandes soldados que possuíam grandes terras. A maioria dos habitantes veio da Andaluzia, Granada, Cádis e Sevilha. A maioria desses primeiros habitantes tinha que subsistir trabalhando eles mesmos em suas terras.

Eram especialistas na fabricação de instrumentos de corda, portanto conhecedores e fazedores da música trovadoresca. É neste ponto que os versos dos yaravíes se encontram com as cordas do violão, formando assim um novo yaraví. Assim surgiram os conhecidos Arequipeño lonccos, que seriam os primeiros descendentes dos espanhóis a chegar a estas terras e começariam a cantar estas peças musicais.

Uma vez que a colônia espanhola foi estabelecida nas terras do Peru e começando alguns sinais de revolução contra a coroa. É preciso falar de Mariano Melgar e de sua relação com os Yaravíes. Os lonccos já eram os expoentes e donos dessas expressões. Expressavam-no nas tardes boémias bebendo chicha de guiñapo, nas chicherías que seguramente já se chamavam picanterías, lugares populares em Cayma, Yanahuara e Sachaca.

O jovem Mariano Melgar seguramente observou estas canções ao pormenor e colocou-as no papel, criando ele próprio novas canções para serem acompanhadas ao som das guitarras. Deixando pentagramas escritos por sua mão. Melgar deixou dez yaravíes que hoje podem ser apreciados, onde o amor se expressa como caminho para a dor, para a solidão ou, preferencialmente, para a morte. Desde então o yaraví está diretamente relacionado ao amor não correspondido.


yaravi hoje em dia

Arequipa actual
Arequipa de Noche

No início da década de 1930, um grupo de arequipeños por iniciativa de Benigno Ballón Farfán assumiu seus instrumentos, mas desta vez para gravar e escrever em pautas alguns dos yaravíes que só eram transmitidos de tempos em tempos, quando a boemia imperava no espíritos inquietos e ávidos de amor. Graças a esta iniciativa, foi possível preservar a música orquestrada, as canções e a importante tradição de Arequipa. Actualmente, as novas composições podem ser apreciadas com certas liberdades tanto na métrica como na música, permitindo esta última continuar a manter a tradição desta expressão artística.

 

Por Machupicchu Terra – Ultima atualização, março 13, 2023


Mais guias que podem te ajudar

8 danças típicas que você só verá em Arequipa

Arequipa é uma terra cheia de tradições e costumes que vale a pena conhecer. Seus dazas são conhecidos por sua história. Cada detalhe dessas danças, seus trajes, letras, coreografias, expressam uma passagem da grande história da região. Entre as danças mais famosas estão os witititi, os turcos, a marinera e muito mais. 8 danças típicas que você só pode ver em Arequipa!.

8 danças típicas que você só verá em Arequipa

O que fazer de graça em Arequipa?

Arequipa é uma das cidades mais turísticas do Peru. O centro histórico da cidade abriga alguns dos pontos turísticos mais visitados. Muitos deles são gratuitos para todo o público. Para conhecê-los, basta caminhar e desfrutar de sua história, arquitetura e paisagens encantadoras. Saiba mais sobre alguns dos destinos gratuitos da ‘cidade branca’, sua localização, história e muito mais.

O que fazer de graça em Arequipa?