Os 7 vulcões de Arequipa

Arequipa é uma terra vulcânica. Em sua geografia montanhosa é possível observar altas montanhas e vulcões de grande beleza cênica. O mais famoso é o Misti, que adorna a “cidade branca”. Ao lado estão os vulcões Chachani e Pichu Pichu. Mas neste departamento do sul do Peru existem mais vulcões de grande altitude. Conheça-os e venha visitá-los!

Volcan Misti en Arequipa
El Misti, o principal vulcão da cidade de Arequipa


O vulcão Misti

Volcán Misti - Arequipa
O vulcão Misti

O vulcão Misti é um símbolo de todos os Arequipeños. Seu cume pode ser visto claramente de qualquer parte da imensa cidade. O manto branco no seu cume diminuiu consideravelmente nos últimos dez anos. Porém, durante a época das chuvas (janeiro, fevereiro e março) ainda é possível distinguir a sua neve.

Misti vem de uma palavra quíchua que significa ‘Grande Senhor’. É um vulcão ativo cuja última atividade remonta a 1985. É por isso que este vulcão também é considerado o mais perigoso: aos seus pés está uma cidade com mais de 1 milhão de habitantes. Hoje é possível agendar um tour para fazer uma caminhada até sua cratera.

  • Altura: 5.822 metros acima do nível do mar.
  • Localização: Seu cume fica a 17 quilômetros do centro da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: De carro da cidade de Arequipa até a cidade de Chiguata. A partir daí há uma caminhada com pernoite.

Vulcão Chachani

Volcan Chachani - Arequipa
Vulcão Chachani – Arequipa

Chachani é um dos três vulcões que guardam a cidade de Arequipa (os outros dois são Misti e Pichu Pichu). Este vulcão é composto por quatro picos, na parte central dos quais ainda se pode ver a cratera e a lava no seu interior. O cume fica no nordeste e é denominado Chachani (localizado a 6.057 metros acima do nível do mar).

Embora a última atividade de Chachani tenha ocorrido há mais de quarenta mil anos, o vulcão é considerado potencialmente ativo. A pesquisa indica que gases ainda podem ser observados em sua cratera. Seu nome, traduzido da língua quíchua, significa ‘Corajoso’ ou ‘Corajoso’.

  • Altura: 6.057 metros acima do nível do mar.
  • Localização: Seu cume fica a 55 quilômetros do centro da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: Com um percurso pedestre de dois dias. Começa com uma viagem de carro aos pampas de Cañahuas. Aí começa a caminhada.

Vulcão Pichu Pichu

Volcán Pichu Picchu
Vulcão Pichu Picchu

Este vulcão também é chamado de ‘Índio Adormecido’ devido à existência de inúmeras lendas incas relacionadas à sua importância religiosa. É considerado o menor dos três vulcões que circundam a “cidade branca” de Arequipa. Perto do seu cume foram encontradas três múmias incas sacrificadas no famoso ritual ‘Capacocha’.

Pichu Pichu é considerado o mais antigo dos vulcões de Arequipa desde que sua última erupção ocorreu há milhões de anos. Estudos geológicos indicam que a proximidade de uma nova erupção é mínima. Possui até sete cumes ou picos. O mais alto de todos está localizado a 5.664 metros acima do nível do mar.

  • Altura: 5.664 metros acima do nível do mar.
  • Localização: Seu cume fica a 32 quilômetros em linha reta da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: De carro da cidade de Arequipa até as encostas de Pichu Pichu. A partir daí é uma caminhada de um ou dois dias, dependendo da agência de turismo que você contratar.

O vulcão Sabancaya

Volcán Sabancaya
Vulcão Sabancaya – Arequipa

O nome deste vulcão vem da palavra quíchua ‘Sahuancqueya’ que significa ‘Vulcão que cospe’. Está localizada no chamado Vale do Colca, perto de cidades como Chivay, Yanque, Maca, Cabanaconde e outras (pertence à província de Caylloma). Este vulcão faz parte de um complexo vulcânico, também formado por Ampato e Hualca Hualca.

Sabancaya é um vulcão ativo (na verdade é o segundo mais ativo do Peru). Sua última erupção data de 2016. Os moradores do Vale do Colca aprenderam a conviver com suas erupções gasosas e movimentos telúricos. À noite você pode até ver a incandescência perto da cratera deste vulcão.

  • Altura: 5.976 metros acima do nível do mar.
  • Localização: Seu cume fica a 70 quilômetros a nordeste da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: Da cidade de Arequipa de carro até ‘Patapampa’, o mirante do vulcão. Depois, outro percurso de carro até o acampamento Sabancaya. Aí começa a caminhada de 5 horas até o seu cume.

O vulcão Ampato

Volcán Ampato
Vulcão Ampato – Arequipa

Ampato é um dos vulcões mais famosos do Peru por vários motivos. É considerada uma montanha sagrada devido às descobertas de múmias de crianças sacrificadas na era Inca. A mais famosa é a chamada ‘Múmia Juanita’, ou ‘Senhora de Ampato’. Seu nome vem de uma palavra aimará que significa “sapo”. Isto se refere à forma do seu maciço.

El Ampato é um vulcão inativo. A sua última actividade emitiu apenas cinzas cinzentas e ocorreu entre 1988 e 1998. Está localizada no Vale do Colca, a pouca distância de localidades como Yanque, Cabanaconde ou Chivay. Existem percursos pedestres de vários dias para chegar mais perto do seu cume. Tudo com duração superior a dois dias.

  • Altura: 6.288 metros acima do nível do mar.
  • Localização: 80 quilômetros a nordeste da cidade de Arequipa, no Vale do Colca.
  • Como chegar?: Da cidade de Arequipa viagem de carro até o acampamento Sallali. A partir daí há uma intensa rota de caminhada de 3 dias.

O vulcão Hualca Hualca

Volcán Hualca Hualca
Vulcão Hualca Hualca – Arequipa

Hualca Hualca é um estratovulcão. Nas suas laterais estão os vulcões Ampato e Sabancaya. O Hualca Hualca é o mais antigo dos três. Está dormindo ou inativo. No entanto, o seu lado norte apresenta várias cúpulas vulcânicas com fluxos de lava. Sua geografia é ladeada pelo famoso cânion do Colca.

O nome Hualca Hualca refere-se a uma palavra quíchua que significa ‘Colar’ ou ‘Cordão de objetos’. Isto é certo devido à forma do seu maciço. Para os Incas este vulcão era um ‘Apu’ ou ‘Grande Senhor’ que merecia veneração. Lá os Incas realizavam sacrifícios de crianças no famoso ritual “Capacocha”.

  • Altura: 6.025 metros acima do nível do mar.
  • Localização: 165 quilômetros da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: Devido ao seu afastamento e dificuldade, uma caminhada de 5 dias deve ser reservada.

O vulcão Coropuna

Volcán Coropuna
Vulcão Coropuna – Arequipa

Coropuna é o vulcão mais alto do Peru, localizado a 6.377 metros acima do nível do mar (masl). É também a terceira montanha coberta de neve mais alta do país andino, atrás apenas de Huascarán (6.768 metros acima do nível do mar) e Yerupajá (6.634 metros acima do nível do mar). É composto por até seis picos cobertos de neve. Seu nome vem de uma palavra quíchua que significa “Montanha Dourada”.

O vulcão Coropuna é considerado “potencialmente ativo”. Está localizado no meio das províncias de Arequipa, Castela e Condesuyos. Seu cume é muito glacial, com picos nevados o ano todo. Devido à sua altitude foi considerada pelos Incas como um ‘Apu’ ou montanha sagrada. Hoje os moradores da província de Cotahuasi continuam a considerá-la uma montanha sagrada.

  • Altura: 6.377 metros acima do nível do mar.
  • Localização: 150 quilômetros a noroeste da cidade de Arequipa.
  • Como chegar?: Da cidade de Arequipa, viaje de carro até o acampamento base de Coropuna. A partir daí começa uma árdua caminhada de 2,3 ou 4 dias, dependendo da agência de turismo que você contratar.

 

Por Machupicchu Terra – Ultima atualização, outubro 19, 2023


Mais guias que podem te ajudar

7 miradouros em Arequipa para excelentes fotografias

Arequipa é uma região no sul do Peru que oferece vistas incríveis de montanhas, praias, cânions e muito mais. Talvez o miradouro mais famoso de todos seja o de Yanahuara e a Cruz del Cóndor. A primeira permite apreciar a cidade com o vulcão Misti ao fundo. A segunda permite apreciar o voo dos condores sobre o famoso Cânion do Colca. Conheça mais miradouros para tirar a fotografia perfeita na viagem a Arequipa.

7 miradouros em Arequipa para excelentes fotografias

Arequipa e a importância da silhar para suas construções

Depois da chegada dos espanhóis e domínio sobre o império Inca, graças ao apoio oportuno do chefe curacas que não hesitaram em unir forças contra o Tawantinsuyo. Era necessária uma nova forma de construção. Consolidando assim uma nova cultura dentro do que seria o território peruano. A principal mudança observada foi a fundação de novas cidades. Dentro deste projeto de novas cidades, surge Arequipa, que construiu sua história sobre a pedra do silhar.

Arequipa e a importância da silhar para suas construções