CUSCO – CULTURA E COSTUMES

Cusco é uma terra cheia de costumes e manifestações culturais de vários tipos. Por exemplo, suas danças, suas festividades, artesanato, festas religiosas, gastronomia ou a própria língua quíchua, herdadas de seus ancestrais incas. Cada canto de seu território tem algo a mostrar ao visitante. Por isso, além de Machu Picchu, Cusco é um dos pontos turísticos mais visitados do Peru. Há muito para conhecer!

Costumbres del Cusco
Cultura e costumes de Cusco


Folclore em Cusco

Cusco tem danças, música, festividades, artesanato e todos os tipos de folclore do Inca, tradição colonial e muito mais. Por exemplo, o famoso ‘Festival Inti Raymi’ é uma tradição que remonta aos tempos incas. A festa religiosa de ‘Corpus Christi’ vem da tradição colonial cristã. Da mesma forma, muitas das danças de Cusco têm sua origem na era republicana.

Cusco inca

  • Cusco, depois de mais de 500 anos desde os tempos incas, mantém muitas das tradições herdadas por seus ancestrais.
  • O principal legado cultural que os incas deixaram ao povo de Cusco é a língua. O quíchua (conhecido como ‘Runa Simi’) ainda é falado pela maioria dos habitantes de Cusco. Em muitos casos, é a língua materna.
  • O povo de Cusco também herdou o sistema alimentar dos Incas. Por exemplo, a técnica de desidratação de carne e batata ainda é usada hoje.
  • Além disso, o povo de Cusco mantém o uso de plantas e ervas para curar seus males diários: a folha de coca, por exemplo, é amplamente utilizada para preservar a resistência durante o trabalho agrícola.
  • Em algumas cidades de Cusco, o trabalho agrícola comunitário ainda é realizado, assim como os incas faziam com o sistema ‘minka’ e ‘ayni’.
  • Uma das festividades incas que sobreviveu ao passar do tempo é o ‘Inti Raymi’ (Festival do Sol). Esta cerimônia religiosa foi realizada pelos Incas em homenagem ao sol desde 1535. Hoje, o povo de Cusco a celebra com uma encenação monumental em 3 cenários históricos: os templos de Sacsayhuaman, Coricancha e a Praça das armas da cidade.

Cusco colonial

  • Durante a época colonial, os espanhóis impuseram o cristianismo com grande força e até violência. Hoje, Cusco é uma das cidades mais religiosas do Peru. Existem muitas tradições cristãs praticadas com fervor na antiga capital Inca.
  • A festa ao Senhor dos tremores (Padroeiro em juramento de Cusco) é celebrada com grande fé desde 1650, quando um terremoto destruiu a cidade. Os habitantes da cidade trouxeram a imagem deste Cristo crucificado de pele escura para uma procissão a fim de apaziguar os movimentos fortes.
  • Corpus Christi é outra das celebrações religiosas da tradição colonial. Foi imposta pelo vice-rei Francisco de Toledo em 1572 para substituir o costume de trazer múmias de ex-governantes incas em procissão.
  • A festa do Senhor de Qoyllur Rit’i é outra das festividades coloniais que hoje são celebradas com mais religiosidade. É uma peregrinação de mais de 4 mil metros de altura (13.123 pés) ao Templo de Qoyllur Rit’i, no sopé do Ausangate coberto de neve.
  • Além do cristianismo, a era colonial deixou Cusco: a língua espanhola, pintura, escultura, arquitetura, gastronomia e muito mais. Hoje, o folclore de Cusco é principalmente uma combinação da tradição Inca com a tradição colonial.

Cusco moderno

  • Cusco também tem um folclore de caráter próprio que não foi retirado das tradições incas ou coloniais. Algumas das manifestações culturais modernas mais populares são carnavais, música e danças.
  • Os carnavais de Cusco eram uma tradição trazida pelos espanhóis, mas adquiriu características próprias com o passar dos anos. Hoje, é comemorado com dança, música e alegria. É comum que homens e mulheres brinquem com água durante os carnavais.
  • A música de Cusco tem suas raízes nos tempos incas e coloniais. No entanto, adquiriu características próprias ao longo do tempo. Hoje, o gênero musical mais difundido é o Huayno (música andina, característica principalmente do Peru). Os instrumentos mais usados ​​são o violão, o charango, a zampoña, a quena e muito mais.
  • A maioria das danças de Cusco têm origem colonial, embora também representem o folclore dos tempos inca e republicano. Hoje, as danças mais características de Cusco são os carnavais. Estes representam o burburinho de cada cidade durante a celebração dos carnavais. Algumas das danças mais populares em Cusco são: carnaval Ampay, carnaval Cusco, carnaval Ccatcca, carnaval Sullumayo e muito mais.

Danças em Cusco

Cusco é o departamento do Peru com mais danças. A maioria das festas tradicionais inclui coreografias de dança apreciadas pela população. A maioria das danças são praticadas desde a era republicana e representam cenas da era colonial e até mesmo da era inca. As roupas são representativas de cada região de Cusco. Além disso, é utilizada música com instrumentos tradicionais. A maioria das danças é realizada em homenagem às virgens e santos de cada cidade. A dança e a coreografia podem durar várias horas e até dias.

Danças do Cusco
Danças do Cusco

Carnaval de Cusco

  • O carnaval de Cusco é a manifestação da alegria carnavalesca celebrada na cidade. É caracterizada pelo uso de serpentina e água durante as celebrações. No meio da dança, a dança tradicional é executada em torno de uma árvore. As mulheres vestem uma roupa branca com uma saia colorida. Os homens usam calças e colete. A dança é caracterizada pela alegria e flerte entre mulheres e homens.

Os pintassilgos

  • Os pintassilgos são aves características da região andina cuja principal característica é a ternura de seu canto. É assim que esta dança, nativa da província de Calca, se caracteriza pela música terna e pelos movimentos suaves do pintassilgo. O vestido é colorido e festivo.

Turkuy

  • A dança representa o trabalho agrícola realizado pelos habitantes da localidade de Yanahoca, na província de Canas. As mulheres usam saias coloridas e também as características waracas com pompons de Cusco. Os homens, calças, camisas, coletes e alguns tipos de saias de fino tecido branco. As canções de ambos estão em quíchua.

Carnaval de Ampay

  • Como em todos os carnavais, os passos e a coreografia da dança são festivos. Homens e mulheres usam ternos multicoloridos e cantam canções em quíchua. Os ternos masculinos e femininos estão cheios de flores e pompons multicoloridos. A dança é nativa da cidade de Ampay, na província de Calca.

Carnaval de Ccatcca

  • Esta dança é caracterizada pela alegria e cor dos passos da dança. Representa o culto das montanhas e da terra. O terno feminino é com uma saia multicolorida. As roupas masculinas se destacam por seus enormes chapéus de lã pomposos. A dança vem do distrito de Ccatcca na província de Quispicanchis, Cusco.

Solischallay

  • É caracterizado pela alegria e galanteria de homens e mulheres solteiros durante o namoro de paixão. A dança inclui cantos e músicas em quíchua. Os homens usam calças e coletes multicoloridos. Mulheres; saia, colete e chapéu. A dança se origina na cidade de Tinta, na província de Canchis, Cusco.

Q’ara Takay

  • A dança recria o encontro da comunidade para celebrar a distribuição de couro de camelídeo (que se acredita ter suas origens nos tempos incas). Os homens e mulheres vestem ternos coloridos onde se destacam chullos, chinelos e saias. A dança vem do distrito de Pitumarca, na província de Canchis, Cusco.

Saras Pillu

  • A dança de Saras Pillu (‘Pêlo de milho’, em quíchua) representa um ritual em homenagem à chuva. Os homens lutam entre si com chicotadas em homenagem à terra. As mulheres usam saias e chapéus. Os homens calças, coletes e uma camisa com algumas espécies de asas. A dança se origina da comunidade Laq’o na província de Quispicanchis, Cusco.

Qasqa Kio

  • O nome desta dança deve-se ao pássaro ‘Kio’, que simboliza a fertilidade das terras. Os passos são alegres e festivos. As mulheres usam saias coloridas e chapéus verdes. Os chinelos, shorts e chapéus amarelos dos homens. A dança se origina da comunidade Laq’o em Quispicanchis, Cusco.

Carnaval de Sullumayo

  • Dança que representa o burburinho dos colonos que vão à cidade de Huaro para celebrar e cultivar a terra. A coreografia retrata homens cortejando mulheres. Destacam-se as peles de ovelha que adornam as cabeças dos homens. As mulheres usam suas saias características, bem como chinelos e llicllas. A dança pertence à comunidade Sullumayo, na província de Quispicanchis, Cusco.

Quechua, a língua dos incas

Quechua é a língua nativa mais falada na América do Sul. Atualmente é falado em até 7 países: Peru, Equador e parte da Bolívia, Argentina, Chile e Colômbia. Sua origem remonta ao vale Caral nos 3.000 anos antes da era cristã. A língua foi expandida por toda a Cordilheira dos Andes até ser reconhecida como a língua oficial do Império Inca no século 15 da era cristã. Os espanhóis tentaram em vão banir a língua quíchua após a conquista. Hoje, em Cusco, a maioria das pessoas fala quíchua em vez de espanhol. Estima-se que cerca de dez milhões de pessoas falam quíchua. No Peru, essa média aumentou nos últimos anos.

Quechua el idioma de los incas
Quechua a língua dos Incas

As origens do Quechua

  • Existem várias hipóteses sobre a origem da língua quíchua no continente. O mais aceito é que se originou na costa central do atual Peru, na cultura ‘Caral’, conhecida como a mais antiga da América (em 3.000 aC).
  • Os residentes de Caral negociaram com as cidades vizinhas, expandindo o idioma. Assim, com o passar dos anos, o Quechua se espalhou pelos Andes centrais (atuais territórios de Áncash, Cerro de Pasco, Junín, Huánuco e Lima).
  • Da mesma forma, depois de muitos anos, o quíchua se espalhou pelos territórios do norte (Cajamarca, Lambayeque, Amazonas, Equador, Colômbia e Brasil) e também pelo sul do continente (Apurímac, Ayacucho, Huancavelica, Arequipa, Puno, Bolívia, Argentina, Chile e Cusco).

Quechua durante os Incas

  • Em Cusco, assim como no norte e centro do continente, o quíchua adquiriu características e desenvolvimento próprios. Assim, quando os incas chegaram com sua própria língua (acredita-se que o puquina), eles descobriram que muitos dos povos assentados de Cusco tinham o quíchua como língua.
  • Os incas conseguiram se adaptar ao quíchua a ponto de adotá-lo como língua oficial e divulgá-lo por todo o império. No entanto, de acordo com alguns pesquisadores, a nobreza Inca continuou a usar Puquina como uma linguagem secreta e exclusiva para a classe dominante.
  • A expansão do império inca pelo continente também trouxe consigo a difusão da língua quíchua nos povos conquistados. Houve até outras línguas nativas que desapareceram e deram lugar ao quíchua.

Quechua durante a época colonial

  • Após a conquista do império inca pelos espanhóis em 1532, a língua quíchua foi usada pelos evangelizadores para doutrinar os índios, fossem eles falantes do quíchua ou não.
  • Durante os primeiros anos da conquista, os espanhóis tiveram que aprender a língua quíchua para administrar a nova colônia. Para isso, eles tinham tradutores indianos.
  • Assim que o poder espanhol foi assegurado em Cusco, os índios foram forçados a aprender espanhol de maneira prática (com contato diário).
  • Durante a colônia, surgiram mestiços (filhos de espanhóis e índios) que aprenderam a língua castelhana e quíchua. Alguns dos maiores representantes em Cusco são: Guamán Poma de Ayala e o Inca Garcilaso de la Vega.
  • Assim, durante o período colonial, em Cusco o espanhol (a nova língua oficial) e o quíchua (a antiga língua oficial Inca) coexistiram. No entanto, a grande maioria da população manteve o quíchua como língua materna.

Quechua na literatura

  • Desde antes da chegada dos espanhóis, os incas desenvolveram uma literatura oral que mais tarde foi posta no papel em língua espanhola.
  • Foi assim que se tornou conhecida a ‘Lenda dos irmãos Ayar’ ou a ‘Lenda de Manco Cápac e Mama Ocllo’, que buscava dar uma origem mitológica aos Incas.
  • Durante a conquista espanhola, os cronistas Guaman Poma de Ayala e o Inca Garcilaso de la Vega descreveram a história dos Incas e a conquista por meio de suas crônicas.
  • Da mesma forma, durante o período colonial, a Bíblia foi traduzida para o quíchua. Assim, os evangelizadores conseguiram difundir a religião cristã entre os indígenas.

Quechua hoje

  • Atualmente, o quíchua continua a ser uma língua muito difundida em Cusco, bem como nos povos andinos do Peru e da América do Sul.
  • Em 2017, 3.805.531 pessoas que falam quíchua como língua materna foram registradas no Peru. Isso significa um aumento em relação aos anos anteriores.
  • O quíchua continua a ser a língua principal em Cusco (estima-se que mais de 1 milhão de pessoas o falem). Da mesma forma, existem 2 outros tipos de quíchua no Peru: Ayacucho Quechua e Ancashino Quechua.
  • Além de Cusco, o quíchua é falado em: Arequipa, Puno, Moquegua, Apurímac, Huancavelica, Cajamarca, Junín, Lambayeque, Áncash, Ayacucho, Huánuco, Pasco e Lima.

Artesanato em Cusco

Cusco é uma terra de artesãos. Por muito tempo, o povo de Cusco produziu importantes manifestações em tecidos, pintura, cerâmica, joalheria, escultura em madeira, imagens e muito mais. O bairro de San Blas, no Centro Histórico de Cusco, foi o lar de vários dos melhores artesãos de Cusco, como: Manuel Olave, Hilario Mendívil, Domingo Álvarez e muitos outros. Hoje é possível comprar bons artesanatos nos famosos mercados de San Pedro, Pisac e também no mesmo bairro de San Blas.

Textileria en cusco
Têxteis em Cusco

Têxteis em Cusco

  • O trabalho têxtil é um dos artesanatos mais representativos de Cusco, pois, na maioria dos casos, é feito de maneira tradicional com produtos naturais como a lã de alpaca.
  • Os produtos mais fabricados pelas artesãs são ponchos, chullos, lenços, cobertores e llicllas (também usados ​​como transporte de bebês nas costas). Os tecidos exibem ornamentos zoomórficos representativos da tradição Inca.
  • Em Cusco, existem muitos centros têxteis onde é possível apreciar o antigo processo de fiação e também o tingimento natural das roupas. Os turistas podem comprar produtos têxteis em qualquer mercado, mas especialmente em: Chinchero, Pisac e Calca.

Olaria em Cusco

  • A cerâmica de Cusco usa algumas técnicas herdadas pelos incas há centenas de anos. Os motivos também são retirados da tradição Inca: figuras geométricas, zoomórficas e antropomórficas.
  • No entanto, também existe uma tradição de cerâmica baseada nas preferências do turista. Assim, podemos encontrar cerâmicas com motivos humanos e animais e representações da vida inca.
  • As principais oficinas de cerâmica em Cusco estão localizadas nas cidades de Raqchi, Pisac e Urubamba. Nesta última cidade fica a oficina do famoso ceramista Ruiz Caro.
  • Os objetos de cerâmica preferidos pelos turistas são: copos, louças, recipientes em forma de garrafa e cinzeiros.

Joias em Cusco

  • Os artesãos de Cusco em Pisac são famosos por fazer uma variedade de joias à base de prata e às vezes ouro. Os motivos são principalmente andinos e incas (lhamas, vicunhas, tumis, chacanas, sóis, luas, etc.).
  • Em Pisac existem oficinas onde você pode ver o processo de fabricação de joias. As técnicas mais comumente usadas são estampagem e martelagem.
  • Além de Pisac, as cidades de Chinchero, Andahuaylillas e Urubamba oferecem joias de ouro e prata finas. Em Cusco é possível visitar as joalherias do Centro Artesanal, localizado na Avenida El Sol.

Escultura em madeira em Cusco

  • O bairro de San Blas é famoso por hospedar os melhores entalhadores de madeira de Cusco. As obras mais populares são os retábulos andinos: caixas retangulares finamente decoradas com figuras humanas e de animais.
  • Em Cusco, os materiais preferidos para esculpir são cedro e mogno. Além do retábulo, os artesãos de Cusco são famosos por suas varandas ornamentais e figuras incas e zoomórficas. As técnicas são herdadas da era colonial, mas as razões são principalmente incas.
  • Entre os muitos entalhadores de Cusco, destaca-se o Sr. Domingo Álvarez, cuja oficina está localizada no bairro de San Blas.

Imaginário em Cusco

  • Cusco é uma das cidades mais católicas de Cusco. Entre os artesanatos mais populares com motivos religiosos estão as várias imagens e esculturas de santos e virgens.
  • Assim, ficam famosos os meninos ‘Manuelitos’ (menino Jesus com motivos andinos), da autoria do célebre artesão Manuel Olave. Também famosos são os santos e virgens de ‘pescoço longo’ criados pelo famoso artesão Hilario Mendívil.
  • Os principais materiais usados ​​nas imagens de Cusco são gesso, madeira, argila e maguey. Além disso, as representações de cenas religiosas e incas são famosas. A maioria dos artesãos tem suas oficinas no bairro de San Blas, em Cusco.

Festividades em Cusco

Todos os anos, Cusco celebra uma variedade de festividades religiosas e andinas. O festival Inti Raymi (Festival do Sol) é uma tradição inca implantada pelo Inca Pachacutec por volta de 1430 e que continua a ser celebrada até hoje pelo povo de Cusco. Existem também outras festas de origem colonial, como: O senhor dos tremores, Semana Santa, Corpus Christi, O Senhor de Qoyllur Riti e muito mais.

Pagamento para a terra
Dia da pachamama

Conheça o calendário das principais festividades de Cusco:

Mudança de hastes em Chinchero

  • O ‘Varayoc’ é o líder de uma comunidade. Esta tradição tem suas origens na época dos incas. Hoje, em Chinchero e em outras cidades de Cusco, se realiza a tradição do ‘Cambio de varas’, que consiste em delegar o cargo de Varayoc a uma nova pessoa. Esta cerimônia ocorre todo dia 1º de janeiro.

Carnavais de Cusco

  • O carnaval é uma festa tradicional em todo o mundo. Em Cusco, como em muitas regiões andinas do Peru, é celebrado com dança, música e yunzas (árvores decoradas com presentes). Também é tradicional que homens e mulheres brinquem com água e talco. É comemorado principalmente em fevereiro.

Senhor dos Tremores

  • O senhor dos tremores é um dos principais santos da cidade de Cusco (ele é considerado um Patrono do Júri de Cusco). É conhecido por sua cor preta. O seu nome vem do facto de ter sido levada em procissão no terramoto de 1650. A festa religiosa em sua homenagem é celebrada entre a segunda quinzena de março e a primeira semana de abril (todas as segundas-feiras sagradas).

Páscoa em Cusco

  • A Semana Santa é um feriado religioso que comemora a paixão e a morte de Jesus Cristo. Em Cusco é celebrado com grande fé religiosa: os santos e as virgens saem em procissão. É comum degustar doces e sobremesas. As famílias de Cusco costumam comer ’12 pratos diferentes ‘na Sexta-feira Santa. A data varia entre março e abril, de acordo com o calendário lunar.

Senhor de Qoyllurriti

  • O Senhor de Qoyllurriti é uma das manifestações religiosas mais representativas de Cusco. A imagem deste Cristo crucificado é venerada no santuário do Sinakara, ao pé do nevado Ausangate, a mais de 4 mil metros acima do nível do mar. Todos os anos, mais de 10.000 fiéis chegam lá em peregrinação de toda a região de Cusco.

Corpus Christi

  • Corpus Christi é um feriado religioso que celebra a Eucaristia Cristã (o sacrifício do corpo e sangue de Jesus Cristo). Em Cusco, esta festa é caracterizada pelas procissões dos 16 santos e virgens da cidade, que se encontram na Catedral da cidade. É tradição comer ‘Chiriuchu’ (porquinho-da-índia assado com torreja de galinha, queijo e milho). A data é móvel. É comemorado 60 dias após a Páscoa.

Inti Raymi

  • Inti Raymi é uma celebração religiosa Inca em homenagem ao sol (seu nome significa Festival do Sol). Foi estabelecido pelo Inca Pachacutec na década de 1430. No entanto, os espanhóis proibiram durante a colônia. Desde 1944, o povo de Cusco celebra o Inti Raymi, todo dia 24 de junho, com uma grande encenação representando a cerimônia religiosa Inca.

Dia da Pachamama

  • A ‘Pachamama’ é a deusa ou ‘Mãe Terra’ para os Incas e muitos dos povos indígenas há centenas de anos. Para reavaliar a importância da produtividade agrícola, todo dia 1º de agosto é comemorado o ‘Dia da Terra’. Durante essa data, em Cusco são feitos os famosos ‘Pagos a la tierra’: um ritual em homenagem às montanhas e à terra que tem suas origens desde antes dos Incas.

Festa de Todos os Santos

  • A ‘Festa de Todos os Santos’ é um feriado católico que comemora o falecido. Em Cusco, este festival é caracterizado pelas oferendas que as famílias fazem aos seus mortos. Os cemitérios estão lotados de pessoas que cantam, dançam e brindam em memória de seus falecidos. É característico comer o famoso pão ‘Tanta wawa’ e também outros pratos deliciosos. É comemorado todo dia 1 ° de novembro.

Santuranticuy

  • Santuranticuy é um festival de Cusco que antecede o Natal cristão com a venda de santos, virgens e outras representações cristãs. Desde a madrugada, a Praça das armas da cidade se enche de vendedores dessas representações cristãs. A comercialização de velas, incensos, flores e muito mais também é comum. À noite, as famílias de Cusco se reúnem para o jantar de Natal. É comemorado todo dia 24 de dezembro.

Ano Novo em Cusco

  • A festa de ano novo tem características próprias em Cusco. As famílias costumam se reunir para saborear o delicioso leitão assado. Também é característico fazer os ‘Pagamentos à terra’ para receber a bênção da ‘Pachamama’ (deusa da terra). Na noite de 31 de dezembro, a Praça das armas de Cusco se enche de pessoas que realizarão sua trama para o próximo ano.

A festa do Inti Raymi

O Festival Inti Raymi é uma das celebrações de Cusco mais famosas do mundo. Ele comemora o ‘Wawa Inti Raymi’, o festival em homenagem ao sol estabelecido pelo Inca Pachacutec na década de 1430. Durante a colônia espanhola, este festival religioso foi proibido e combatido. Em 1944, o povo de Cusco organizou um festival para comemorar seus ancestrais incas e o Inti Raymi foi criado, uma encenação gigante que evoca a tradição inca.

Inca Festa Intiraymi em Cusco
Festa Intiraymi em Cusco

O Inti Raymi no Inca

  • O Inca Pachacutec estabeleceu a cerimônia do ‘Wawa Inti Raymi’ no novo império com o propósito religioso e político, uma vez que reuniu toda a população incluindo os representantes dos povos mais distantes do império.
  • O ‘Wawa Inti Raymi’ era celebrado a cada solstício de inverno, pois representava o dia em que o sol se afastava mais da Terra. Para os incas, representou o início de uma nova era.
  • Para celebrar o ‘Wawa Inti Raymi’, os Incas precisavam jejuar vários dias antes e até praticavam a abstinência sexual. Diz-se que em toda a cidade fogueiras não eram permitidas.
  • Durante a celebração de ‘Wawa Inti Raymi’, a nobreza Inca recebeu os primeiros raios de sol no templo Coricancha. Então, sacrifícios de animais e oferendas ao sol eram feitos na atual Praça das armas. Essas festividades foram realizadas com uma multidão de aproximadamente 100.000 pessoas.

A proibição de Inti Raymi

  • Após a conquista espanhola dos incas, a celebração do ‘Wawa Inti Raymi’ foi permitida por alguns anos. No entanto, depois de um tempo, os espanhóis viram seu domínio em risco, então decidiram bani-lo.
  • A proibição do ‘Wawa Inti Raymi’ não foi cumprida pelos Incas de Vilcabamba, que continuaram a celebrar este festival como costumava ser feito em Cusco.
  • No entanto, os incas de Vilcabamba não foram os únicos que continuaram a celebrar o ‘Wawa Inti Raymi’. A população indiana continuou a celebrá-lo em segredo e nas costas dos espanhóis, que o consideravam uma festa pagã.
  • Com o passar dos anos, a festa ‘Wawa Inti Raymi’ foi desaparecendo, mas não totalmente. Segundo algumas crônicas, durante as cerimônias organizadas pelos espanhóis (Corpus Christi, Semana Santa, etc); Os índios usavam seus trajes incas e até realizavam cerimônias da mesma forma como eram no ‘Wawa Inti Raymi’.
  • No entanto, essas manifestações do antigo ‘Wawa Inti Raymi’ tornaram-se muito esporádicas devido à imposição da religião cristã aos habitantes de Cusco.

O Inti Raymi hoje

  • Em 1944, o artista e intelectual de Cusco Faustino Espinoza Navarro fez uma recriação do ‘Wawa Inti Raymi’, segundo as crônicas do escritor (também de Cusco) Garcilaso de la Vega.
  • O objetivo era favorecer o setor turístico da cidade. Para isso, eles decidiram celebrá-lo nos mesmos cenários incas de vários séculos atrás: o Coricancha, a Praça das armas e também na imponente Fortaleza de Sacsayhuaman. Com o tempo, essa cerimônia foi renomeada para Inti Raymi e se tornou muito popular entre os turistas e locais.
  • Atualmente o Inti Raymi é celebrado todo dia 24 de junho com a representação das cerimônias realizadas pelo Inca em homenagem ao sol. A encenação conta com a participação de centenas de atores e atrizes de Cusco.
  • O Inti Raymi se tornou uma reavaliação de Cusco com seus ancestrais incas. O festival também atraiu muito interesse de turistas estrangeiros. Esse dia é um dia não útil para a população de Cusco.

Os carnavais em Cusco

Os carnavais em Cusco são uma série de celebrações cheias de alegria, música e dança. A festa começa com as celebrações do dia dos ‘comadres’ e do dia dos ‘compadres’ onde é tradição provar o ‘timpu’ ou puchero (caldo cheio de carnes e vegetais). Também é comum criar bonecos de pano burlescos entre amigos ou familiares. O dia central é móvel, pois pode ser celebrado em um domingo de fevereiro ou março. Os jovens costumam brincar com água entre homens e mulheres.

Carnavais de Cusco
Carnavais de Cusco

Festa dos ‘compadres’ e ‘comadres’

  • O festival ‘compadres’ é uma tradição de Cusco em que as mulheres homenageiam os homens com abraços e pratos requintados como o ‘timpu’. No entanto, como parte da tradição, as mulheres costumam criar bonecas de pano com alusões burlescas ou de desenho animado aos homens. Este festival é celebrado duas quintas-feiras antes do domingo de carnaval central.
  • A festa dos ‘comadres’, como a festa dos compadres, é caracterizada pela homenagem que os homens prestam às mulheres de Cusco. Para isso costumam entretê-los com pratos típicos e outros presentes. Porém, nessa data também é costume que os homens criem bonecos com alusões burlescas às mulheres. Esta celebração ocorre em uma quinta-feira antes do domingo de carnaval.

Os carnavais de Cusco

  • O dia central dos carnavais em Cusco é geralmente móvel (um domingo entre fevereiro e março) e varia de cidade para cidade em tradições.
  • Na cidade de Cusco, por exemplo, é comum o jogo barulhento com água e espuma que homens e mulheres fazem na Praça das armas e nos arredores.
  • Nos mercados é tradicional vender pratos típicos como o ‘timpu’. Além disso, os moradores costumam celebrar carnavais em família com música e dança.
  • Nas províncias de Cusco é comum o uso de ‘yunzas’, árvores adornadas com presentes e surpresas para os participantes que dançam e cantam ao seu redor enquanto tentam derrubá-las com um facão.
  • As cidades do Vale Sagrado dos Incas são famosas pela alegria de seus carnavais. Os mais visitados pelos turistas são os carnavais de Pisac, Calca, Chinchero, Urubamba, Lamay, Yanahuara e Ollantaytambo.

O ‘kacharpari’ ou leilão de carnaval

  • O ‘Kacharpari’ é o ‘leilão’ ou simplesmente a despedida dos carnavais. É caracterizada pela alegria, música e danças festivas que a população representa.
  • Na cidade de Cusco, os desfiles de comparsas com dançarinos e músicos na Praça das armas são característicos.
  • Durante ‘Kacharpari’, o uso de ‘yunzas’ é mais comum. Porque é o último dia de festa do carnaval (até o ano que vem); a alegria está transbordando em todas as cidades de Cusco.

O Corpus Christi em Cusco

‘Corpus Christi’ é o festival religioso mais importante de Cusco. É um grande evento onde os 15 santos e virgens mais importantes da cidade são levados em procissão. Estas imagens são transferidas para a Sé Catedral onde repousam 7 dias até ao ‘oitavo’, onde são transferidas de volta para as respectivas igrejas. Durante todo o evento, é tradição provar o delicioso ‘Chiriuchu’, um prato típico de Cuy de Cusco.

Corpus Christi en Cusco
Corpus Christi em Cusco

Origens de Corpus Christi

  • Corpus Christi é um feriado cristão celebrado em todo o mundo para reavaliar o sacrifício de Jesus Cristo na cruz.
  • Em Cusco, este festival foi implementado como uma medida da colônia contra a tradição pagã de caminhar com múmias de ex-governantes incas. Assim, os espanhóis decidiram trocar as imagens incas pelos novos santos e virgens da cidade.
  • No início, os indígenas se recusaram a adorar essas novas figuras estranhas. Porém, com o passar do tempo e a imposição cristã, acabaram aceitando a nova religião e os novos costumes.
  • Hoje, Corpus Christi é um feriado cristão celebrado com grande religiosidade em Cusco. No entanto, em suas origens, esse festival teve um caráter marcadamente inca.

O dia central de Corpus Christi

  • O dia central de Corpus Christi é variável. É celebrado na quinta-feira após a ‘Solenidade da Santíssima Trindade’ (em junho). Em Cusco, esta data coincide com as celebrações do mês do jubileu da cidade.
  • Na véspera do Corpus Christi (quarta-feira) acontece a entrada e a procissão das 15 imagens de santos e virgens da cidade em direção à Catedral. Cada imagem é acompanhada por seu grupo de paroquianos, bem como por uma banda musical.
  • No dia principal de Corpus Christi, a procissão principal de 15 imagens acontece pelas ruas de Cusco. Em seguida, eles entrarão novamente na Catedral enquanto a população prova o tradicional ‘Chiriuchu’ (um prato à base de porquinho-da-índia, frango, torreja de milho, queijo e muito mais).

Os 15 santos e virgens de Cusco

Estes são os 15 santos e virgens que são carregados em procissão durante as festividades de Corpus Christi em Cusco:

  • Virgem da Imaculada Conceição (a ‘Linda’ da Catedral de Cusco).
  • Virgem de Belém (Freguesia de Belém).
  • Virgem Purificada (Freguesia de São Pedro).
  • Virgen de los Remedios (Igreja de Santa Catalina).
  • Virgem da Natividade (Freguesia de Almudena).
  • Santa Ana (Freguesia de Santa Ana).
  • Santa Bárbara (Freguesia do distrito de Poroy).
  • San José (Freguesia de Belén).
  • San Pedro (Freguesia de San Pedro).
  • Santiago Apóstol (Freguesia de Santiago).
  • San Sebastián (Freguesia do distrito de San Sebastián).
  • San Blas (Freguesia de San Blas).
  • San Cristóbal (Freguesia del San Cristóbal).
  • San Jerónimo (Freguesia do distrito de San Jerónimo).
  • San Antonio (Freguesia de San Cristóbal).

Oitavo ou adeus a Corpus Christi

  • Oito dias após o dia principal de Corpus Christi, os santos e virgens são novamente levados em procissão, embora desta vez retornem à sua paróquia ou igreja, onde permanecerão até o próximo Corpus Christi do ano seguinte.
  • Durante o oitavo ou o adeus é costume que os paroquianos festeje e festeje em honra do santo ou virgem de sua escolha. O festival é caracterizado pela gastronomia típica da região assim como pelo consumo de bebidas alcoólicas.

Qoyllur Rit’i, peregrinação dos Andes

O Senhor de Qoyllur Rit’i é uma festa religiosa cristã, mas tem uma origem andina muito antiga: a relação entre o homem e a natureza. Acontece na cidade de Mawayani, no sopé da Ausangate coberta de neve. Apesar do clima extremo e da altitude de quase 5 mil metros de altitude (16.404 pés); a peregrinação em homenagem à imagem do Sr. Qoyllur Rit’i reúne mais de 10.000 pessoas de todo o Cusco e além. O festival é caracterizado por danças, música e representações satíricas de origem colonial. Este festival é reconhecido pela UNESCO como ‘Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade’.

Qoyllur Riti Cusco
Qoyllur Rit’i – Cusco

As origens do senhor de Qoyllur Rit’i

  • As origens do festival do senhor de Qoyllur Rit’i são muito antigas. Acredita-se que tenha começado como uma festa indígena, mas que se tornou uma festa religiosa com a conquista espanhola e a imposição da Igreja Católica.
  • Existe uma lenda que explica a origem do Senhor de Qoyllur Rit’i como expressão católica. Esta versão foi compilada pelo padre da cidade de Ccatcca no século 20.

“Em 1780 um menino mestiço (Manuel) encontrou outro menino indígena (Mariano Mayta) nas alturas do nevado Colquepunku. As duas crianças tornaram-se amigas muito próximas. De repente, o gado do pequeno Mariano começou a aumentar. Como agradecimento pelo milagre, o pai de Mariano resolveu comprar roupas para Manuel. No entanto, quando ele apreciou o tecido de suas roupas, percebeu que era característico de um bispo. O padre da aldeia decidiu encontrar o menino Manuel. Quando ele conseguiu encontrá-lo, ele se transformou em uma imagem em uma pedra. O outro menino, Mariano, morreu imediatamente. O seu corpo foi enterrado sob a pedra onde foi encontrada a imagem do menino Manuel. Os nativos começaram a venerar esta pedra sobre a qual as autoridades cristãs pintaram um Cristo crucificado. Hoje, essa imagem é conhecida como o Senhor de Qoyllur Rit’i (palavra em quíchua que significa ‘neve das estrelas’).

A peregrinação ao pé do Monte Ausangate

  • A peregrinação ao Santuário do Senhor de Qoyllur Rit’i reúne mais de 10.000 paroquianos de Cusco, divididos em 8 nações ou grupos de acordo com sua origem: Paucartambo, Quispicanchis, Paruro, Acomayo, Chinchero, Urubamba, Canchis e Anta.
  • Cada nação embarca em sua peregrinação às colinas geladas da cidade de Mawayani (distrito de Ocongate, província de Quispicanchis) acompanhada por um elenco de músicos e dançarinos.
  • Uma vez na cidade de Mawayani, os devotos partiram novamente, embora desta vez ao longo das difíceis estradas de neve ao pé do Ausangate. Lá eles chegarão ao Santuário do Senhor de Qoyllur Rit’i.

A festa no Santuário Sinkara

  • No sopé do Santuário do Senhor de Qoyllur Rit’i (Santuário de Sinkara), milhares de devotos de todos os cantos de Cusco se reúnem. Lá, o festival é realizado em homenagem às montanhas (Apus) e à imagem de Qoyllur Rit’i.
  • O festival é caracterizado pela presença da dança e da música. Os personagens principais são os chamados ‘Ukukus’, ‘Pablitos’ e ‘Pabluchas’ (homens – ursos que comunicam os colonos com os deuses das montanhas) que animam os festivais e protegem os tradições.
  • Existem muitas tradições durante as festividades em homenagem ao Senhor de Qoyllur Rit’i. Uma delas é deixar cruzes na neve perto do Santuário Sinkara. Da mesma forma, também é tradição coletar um pouco de gelo para levar para casa (acredita-se que tenha propriedades curativas). No entanto, devido ao aquecimento global, o degelo impediu que esse costume continuasse.
  • O grande número de pessoas atraiu centenas de comerciantes que oferecem velas, tendas, folhas de coca, alimentos e pequenas representações de carros, contas, casas e outros objetos para pedir com devoção ao Senhor de Qoyllur Rit’i.

Significado da peregrinação do Senhor de Qoyllur Rit’i

  • A festa do Senhor de Qoyllur Rit’i reúne tradições cristãs e costumes andinos profundamente enraizados. Por exemplo, além de homenagear a imagem de Jesus crucificado, os aldeões veneram as montanhas com antigos rituais incas.

Gastronomia em Cusco

Cusco, como a maioria das regiões andinas do Peru, oferece deliciosos pratos típicos feitos com batata, milho, feijão, chuño, quinua e muito mais. Estes pratos são consumidos em qualquer época do ano, embora também seja habitual fazê-lo em festas especiais como: timpu nos carnavais, chiriuchu em Corpus Christi, etc. Existem muitos restaurantes onde pode saborear pratos tradicionais de Cusco. Um dos mais populares é o mercado de San Pedro no Centro Histórico.

Chiriuchu
Chiriuchu – Cusco

Chiriuchu

  • Chiriuchu é um prato tradicional de Cusco que traduzido do quíchua significa “pimenta malagueta fria”.
  • Como o próprio nome indica, é um prato tradicionalmente comido frio. Seus principais ingredientes são: porquinho-da-índia, frango, cochayuyo, queijo, chouriço e tortilha de milho.
  • Em Cusco, é tradição comer Chiriuchu durante o festival ‘Corpus Christi’. Acredita-se que isso se deva ao fato de que representantes de todos os cantos do império Inca homenagearam o Inca com um ingrediente típico de sua região. Assim, combinando todos os ingredientes, Chiriuchu foi criado durante o ‘Festival Inti Raymi’.

Estes são os ingredientes do Chiriuchu:

  • Cobaias.
  • Galinha.
  • Aipo.
  • Nabo.
  • Poro.
  • Pimenta e sal.
  • Ovo de truta seco.
  • Cochayuyo.
  • Cancha.
  • Salsichas.
  • Queijo.
  • Cecina.
  • Rocoto.
  • Tortilha de milho (ovo, farinha de milho, farinha preparada, purê de abóbora, sal, pimenta).

Leitão assado

  • Leitão assado é um prato trazido pelos espanhóis ao Peru. Em Cusco é tradição provar este prato durante o Dia de Todos os Santos (1 ° de novembro).
  • O nome ‘Lechón’ viria da palavra ‘Leite’, pois os porcos que são preparados para este prato estão ‘prestes a parar de amamentar’.
  • Em muitas províncias de Cusco, este prato requintado e crocante é preparado. Uma das cidades mais famosas para a preparação de ‘Porco Assado’ é Huarocondo, na província de Anta.
  • Em Cusco, o porco costuma ser acompanhado de: pão de humita, moraya, oropesa e, em algumas ocasiões, macarrão assado.

Estes são os ingredientes do leitão assado:

  • 1 leitão.
  • 4 colheres de sopa de alho picado.
  • 4 colheres de sopa de pimenta malagueta moída.
  • 5 colheres de sopa de pimenta mirasol moída.
  • 1 xícara de vinagre.
  • 2 colheres de sopa de mostarda.
  • Sal e pimenta a gosto.
  • 1 litro de caldo de carne.
  • 1 cebola grande.
  • 1 colher de sopa de cominho.
  • 1 colher de sopa de orégano moído.
  • 1 xícara de chicha de jora ou cerveja.
  • ½ xícara de molho de soja.

Timpu

  • O Timpu (também conhecido como ‘Puchero’) é um prato típico de Cusco e da região andina do Peru à base de vegetais e carnes cozidas.
  • É característico consumir Timpu durante as festas de carnaval. Em Cusco, é frequente especialmente durante os dias dos ‘Comadres’ e dos ‘Compadres’.
  • Os ingredientes, bem como a preparação variam de região para região. Em Cusco, inclui principalmente carne bovina, cordeiro, carne seca, bem como cenoura, moraya, milho e muito mais.

Estes são os ingredientes do Timpu:

  • Carne bovina.
  • Carne de cordeiro.
  • Chalotas ou soluços.
  • Dentes de alho.
  • Apio.
  • Milho.
  • Cenouras.
  • Moraya.
  • Repollo.
  • Grão-de-bico.
  • Arroz.
  • Batata doce pequena.
  • Yucca.
  • Sal e pimenta.

Kapchi de fava

  • O Kapchi de feijão é um dos pratos mais tradicionais de Cusco. Como o próprio nome indica, é maioritariamente constituído por favas, leguminosa trazida pelos espanhóis e cuja principal característica nutricional é a abundância de fibras.
  • Existe uma variação do feijão Kapchi chamado ‘cogumelo Kapchi’, que é feito com cogumelos andinos.
  • Kapchi de habas é um prato muito utilizado em Cusco devido ao baixo custo de seu preparo. É possível degustá-lo nos principais mercados da cidade, como o Mercado de San Pedro ou o Mercado de San Blas.

Estes são os ingredientes do feijão Kapchi:

  • Feijões.
  • Cebola.
  • Alho moído.
  • pimentão moído.
  • Batatas congeladas.
  • Rama de huacatay.
  • Rama de paico.
  • Hierbabuena.
  • Queijo fresco.
  • Ovos.
  • Creme de leite.

Cobaia assada

  • Porquinho-da-índia assado é um prato típico dos Andes. O ingrediente principal é cuy (cobaia), um roedor doméstico que era comido desde antes dos tempos incas.
  • Porquinho-da-índia assado é um prato característico da região de Cusco e de outros departamentos andinos do Peru. Na antiga capital inca é comum encontrar ‘cuyerías’, especializadas neste prato. Os mais famosos estão localizados nos bairros de Tipón e Poroy.
  • Em Cusco é característico acompanhar o porquinho-da-índia com macarrão assado. Outras versões são o cuy chactado e o porquinho-da-índia frito.

Estes são os ingredientes da cobaia assada:

  • Cobaias.
  • Alho moído.
  • Sal e cominho.
  • Pimenta.
  • Huacatay.
  • Pimenta amarela.
  • Cebola.
  • Óleo.

Chuño cola

  • Chuño cola é um prato característico de Cusco, cuja origem remonta aos tempos incas. É um caldo picante cujo ingrediente principal é chuño (ou farinha de chuño).
  • Chuño é a batata seca ao sol por um processo de desidratação. Esta técnica de preservação de alimentos foi usada pelos Incas e outras culturas dos Andes.
  • Em Cusco, esse caldo chuño é consumido em qualquer época do ano. Os melhores lugares para consumir a ‘Chuño cola’ são os mercados de San Pedro e San Blas.

Estes são os ingredientes da Chuño Cola:

  • Frango.
  • Cebola.
  • Habas.
  • Batatas.
  • Chuño terrestre.
  • Orégano.

 

Por Machupicchu Terra – Ultima atualização, julho 19, 2021


Mais guias que podem te ajudar

As 7 melhores festas típicas para visitar no Peru

O Peru celebra mais de 3 mil festividades por ano. Mesmo na menor cidade há um feriado que convida as pessoas a comemorar. A maioria é comemorada em homenagem a um santo padroeiro ou virgem protetora. As origens remontam aos tempos coloniais e, em alguns casos como o Inti Raymi, ao mesmo tempo dos Incas. As festividades mais recomendadas para visitar são os carnavais de Cajamarca, a festa de San Juan na selva, a colheita da uva em Ica, a Semana Santa em Ayacucho e muito mais. Você se atreve?

As 7 melhores festas típicas para visitar no Peru

Os 15 parques nacionais do Peru

Os parques nacionais são áreas protegidas pelo Estado peruano que, por sua diversidade natural, são representativos da riqueza biológica do país. Há uma variedade de flora e fauna, diversos ecossistemas e paisagens que são considerados intangíveis pelas autoridades do Peru. O turismo é permitido em algumas áreas específicas. Hoje existem quinze parques nacionais. Conheça-os!

Os 15 parques nacionais do Peru