8 costumes únicos de Cusco no Peru

Cusco foi a capital do império Inca. Além disso, foi um espaço de grande importância durante a época colonial no Peru. Hoje, o povo de Cusco é herdeiro de costumes e tradições cuja origem remonta a centenas de anos e que são únicos no Peru. Entre eles, destacam-se suas festividades religiosas, linguagem, gastronomia e até cerimônias de origem inca. Conheça os 8 costumes de Cusco que são únicos no Peru!

Traditions in Cusco
Tradições em cusco


Cusco Quechua

Cusco Quechua
Cusco Quechua

Cusco Quechua é diferente do resto. É um dialeto moderno do quíchua do sul, falado por cerca de 1,5 milhão de pessoas no Peru. Tem grandes semelhanças com os quéchuas de Ayacucho, Puno e até da Bolívia. No entanto, a pronúncia tem algumas diferenças. Acredita-se que era o quíchua falado pelos incas.

Em Cusco, muitas pessoas falam o quéchua como língua materna e, também como segunda língua, o espanhol. Produto da existência de ambas as línguas, a fala dos cusqueños é caracterizada pelo uso de diminutivos e palavras quéchuas castelhanas, como ‘alalau’ (que frio) ou ‘achacháu’ (que dor). Para os turistas é uma oportunidade de aprender mais sobre a cultura de Cusco, como a língua Quechua.

  • Mais informação: Estima-se que 13,9% dos peruanos tenham o quíchua como língua materna. Ou seja, cerca de 3 milhões 375.682 mil pessoas.

O chiri uchu

O chiri uchu
O chiri uchu

O chiri uchu é o prato típico mais famoso de Cusco. Seu nome vem das palavras Quechua ‘Chiri’ (frio) e ‘Uchu’ (pimentão). É que esse prato é comido frio e sua existência remonta ao mesmo período inca. Certas crônicas afirmam que este prato era oferecido ao deus sol ‘Inti’ durante as cerimônias. Hoje este prato é muito requisitado pelas famílias cusquenhas, principalmente no Corpus Christi.

Os principais ingredientes do chiri uchu são cobaia, frango, cochayuyo, queijo fresco, rocoto, tortilla de milho e a dose precisa de sal e pimenta Existem restaurantes tradicionais onde é o prato mais pedido. Existe até uma associação civil de chiriucheras de Cusco (composta por 180 pessoas). Se você visitar Cusco, não deve perder a oportunidade de experimentar este prato, o mais reconhecido em Cusco.

  • Mais informação: Corpus Christi é a festa católica mais famosa de Cusco, onde o chiriuchu é o prato principal nas mesas cusquenhas. Esta festividade também é caracterizada pela procissão de quinze figuras religiosas, as principais das igrejas de Cusco.

A festa do ‘Señor de los Temblores’

A festa do Senhor dos Terremotos
A festa do Senhor dos Terremotos

O Senhor dos Terremotos é o principal santo ou padroeiro de Cusco. Por esta razão, ele é reconhecido como o ‘Patrono Juramentado da cidade de Cusco’. A sua veneração remonta ao terramoto de 1650, quando foi retirada em procissão para evitar os constantes tremores secundários. Desde então, ele é adorado pelas famílias de Cusco. Todas as Segundas-feiras Santas é levado em procissão para depois permanecer na Sé Catedral

A festa ‘Taitacha’ de los Temblores também inclui apresentações de danças típicas, jogos de tapetes de flores e exibições devocionais. Acredita-se que esta figura religiosa conceda milagres aos seus devotos. Em 2005, durante o restauro da sua figura pelo Instituto Nacional de Cultura (INC), foram encontradas letras no tórax da escultura. O mais antigo de todos foi datado de 1782.

  • Mais informação: A imagem do Senhor dos Terremotos também é levada em procissão no dia de Corpus Christi. Nesse dia, outras quatorze figuras religiosas dos principais templos da cidade de Cusco também são levadas em procissão. Todos eles se encontram na Catedral.

O famoso Inti Raymi

O famoso Inti Raymi
O famoso Inti Raymi

O Inti Raymi (festival do sol, na língua quíchua) é a principal festa turística de Cusco. Acontece todo dia 24 de junho no dia do equinócio de inverno no hemisfério sul. A festividade justifica a tradição inca de wawa Inti Raymi. A principal atividade é a encenação de centenas de atores em três pontos de importância histórica: Sacsayhuamán, Coricancha e a Plaza de Armas.

O dia de Inti Raymi (24 de junho) é feriado em toda Cusco. As famílias saem cedo para apreciar os shows no Coricancha e na Plaza de Armas. Em Sacsayhuaman, a cerimônia requer a compra de um bilhete turístico. À tarde e à noite, famílias cusquenhas caminham pelas ruas curtindo shows de dança e feiras gastronômicas. O objetivo é reivindicar a cultura Cusco.

  • Mais informação: O wawa Inti Raymi foi proibido durante a colônia em 1572. Em 1944, o artista cusquenho Faustino Espinoza Navarro compôs a reconstrução desta cerimônia em uma encenação. Desde então, o Inti Raymi é realizado há mais de 70 anos.

Os doze pratos na Páscoa

Os doze pratos na Páscoa
Os doze pratos na Páscoa

Todos os anos, na Sexta-feira Santa, as famílias cusquenhas desfrutam da tradição dos doze pratos. Como o próprio nome indica, esta tradição consiste em servir doze pratos ou sobremesas (doces e salgadas) que comemoram a cerimónia da última ceia, com Jesus e os doze discípulos. Algumas famílias preferem realizar esta celebração na Quinta-feira Santa. Mesmo algumas famílias não completam os doze pratos, mas algumas menos.

A tradição indica que os pratos mais preparados nessa data são: creme de milho, chupe de arroz, lizas chupe (olluco), sopa de abóbora, peixe frito, kapchi de fava, guisado de abóbora, tarwi, guisado com pêssego, arroz doce, mazamorra com chancaca, biscoitos, condessa, suspiros e as doces empanadas de Cusco. Os turistas têm a oportunidade de saborear deliciosos pratos de Cusco vendidos nas ruas e mercados.

  • Mais informação: Uma das melhores maneiras de saborear os doze pratos da Sexta-feira Santa é visitar o mercado de San Pedro, um dos mais populares e turísticos de Cusco. Na praça de alimentação você pode experimentar caldos, doces, empanadas e muito mais.

O pan chuta

O pan chuta
O pan chuta

Experimentar o pão chuta é obrigatório para os turistas que visitam Cusco. Este pão é famoso pelo seu formato circular, textura macia e sabor único. Este pão é famoso por ser preparado no bairro de Oropesa, a 26 quilômetros da cidade de Cusco. Ali, acredita-se, existe a água de uma divindade inca, que é o ingrediente secreto para preparar o pão em um forno tradicional. Estima-se que em Oropesa existam 86 fornos e 3 mil habitantes se dediquem à panificação.

Estima-se que todos os dias mil pães de chuta são transportados de Oropesa para os principais mercados de Cusco. A tradição indica que só a morte de um morador pode impedir os padeiros de Oropesa de preparar o pão chuta. Este pão é preparado e consumido durante todo o ano. O custo do pão varia entre 5 a 10 soles peruanos (2 a 4 dólares aproximadamente). É possível encontrá-lo nos principais centros de abastecimento, como o mercado de San Pedro.

  • Mais informação: Oropesa e Cusco são famosos não apenas pelo pão Oropesa, mas também por outras variedades, como o pão t’anta wawa, o pão chapla, o pão huaro, o pão chola, suas empanadas, doces e muito mais. Venha experimentá-los!.

A peregrinação de Qoyllur Riti

A peregrinação de Qoyllur Riti
A peregrinação de Qoyllur Riti

Todos os anos, no final de maio ou início de junho (a data varia), ocorre a peregrinação do Senhor de Qoyllur Riti. Esta festividade religiosa causa espanto porque ocorre a mais de 5 mil metros de altitude, na comunidade de Mawayani, distrito de Ocongate e província de Quispicanchis. Seu nome ‘Qoyllur Riti’ significa ‘neve brilhante’ porque está localizado no sopé do nevado Ausangate a 4.600 metros acima do nível do mar.

O festival Qoyllur Riti reúne anualmente cerca de 10 mil pessoas das diferentes comunidades de Cusco. A romaria, além das manifestações de fé, destaca-se pelos grupos de dança, música, fogos de artifício e muito mais. O percurso pode ultrapassar 5 horas a pé sob temperaturas de 0ºC. aproximadamente. É conhecida como a maior peregrinação da Cordilheira dos Andes.

  • Mais informação: Em 2011, a peregrinação do Senhor de Qoyllur Riti foi incluída na lista representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

O Santurantikuy

O Santurantikuy
O Santurantikuy

O Santurantikuy é uma festa de Natal que acontece todos os anos no dia 24 de dezembro na Plaza de Armas da cidade de Cusco. Seu nome vem de uma palavra quíchua que significa ‘venda de santos’. E como o próprio nome indica, nesse dia as ruas centrais de Cusco se enchem de cor com a venda de milhares de estatuetas de santos, virgens e animais comemorando o nascimento do menino Jesus.

O festival Santurantikuy remonta aos tempos coloniais. O objetivo era evangelizar os primeiros habitantes de Cusco. A mistura da cultura andina e cristã criou aspectos particulares como o menino manuelino (menino Jesus), com feições e vestimentas andinas. Essas e outras figuras podem ser vistas durante o passeio pela feira. Nesse dia também são vendidos pratos típicos e enfeites natalinos.

  • Mais informação: O Santurantikuy começa alguns dias antes do Natal e termina alguns dias depois desta data. As figuras mais famosas são os artesanatos das famílias Olave ou Mendívil. Tirar proveito de!

 

Por Machupicchu Terra – Ultima atualização, março 18, 2023


Mais guias que podem te ajudar

Preços de ônibus para Machu Picchu

A última das etapas para viajar para Machu Picchu é a viagem de ônibus. Esta rota tem apenas 10 quilômetros de extensão. Embora também seja possível caminhar, a maioria dos turistas opta por pegar o ônibus. O preço para estrangeiros em viagens de ida e volta custa 24 dólares. Há descontos para cidadãos peruanos, crianças e residentes de Cusco. Saiba mais sobre preços atualizados, como comprar passagens e todos os detalhes sobre esta viagem de ônibus.

Preços de ônibus para Machu Picchu

Os 8 sítios arqueológicos mais misteriosos do Peru

O Peru tem uma história cuja primeira grande civilização remonta a 4 mil AC. A civilização Caral, a mais antiga da América, marcou o início de uma longa história de civilizações, cerâmicas, arquitetura e também de muitos mistérios ainda a serem descobertos. Algumas das construções mais enigmáticas do Peru são: as Linhas de Nazca, Pachacamac, Huaca del Sol y la Luna, Sacsayhuamán, Kuelap e muito mais. Conheça todas elas!

Os 8 sítios arqueológicos mais misteriosos do Peru