Detalhes do famoso passaporte de Arequipa

O passaporte de Arequipa é atualmente um souvenir bastante controverso. Para alguns detratores, é um sinal de antipatia, causa desunião e coloca certas barreiras em um país que deveria ser mais unido. No entanto, para outros é um documento que aumenta o orgulho de ser arequipense e o quão especial é nascer aos pés de um vulcão. Com base nestes posicionamentos e nos diferentes acontecimentos históricos que cultivaram a figura de uma região independente, acreditamos ser importante conhecer os acontecimentos que marcaram esta cidade para que hoje guarde esta peculiar lembrança satírica.

Passaporte Arequipa
Passaporte de Arequipa


a) Sobre o Passaporte de Arequipa

Esta lembrança tem duas autorias possíveis. Ambos parecem ter fundamento, embora um tenha apresentado queixa contra o outro. Algo importante a destacar antes de começar é a noção de terra independente do território peruano. Esta ideia nasceu de diferentes acontecimentos históricos que persistiram no imaginário dos chamados filhos do vulcão. Veremos esses detalhes mais adiante. Por enquanto, nos interessa saber sobre a disputa de autoria sobre o lúdico e o polêmico passaporte ao mesmo tempo.

A autoria deste peculiar documento tem duas histórias que beiram a questão legal. No final do século XX Fredy Castillo Neyra, reconhecido por ter vencido o Festival de Música Inédita de Arequipa interpretando a canção “Não sei se é amor”. Trabalhador da empresa Leche Gloria SA, recebeu a incumbência de redigir o texto do que seria o primeiro passaporte arequipeño. O detalhe que Berner Heaberli, gerente geral da empresa, deixou para ele é que ele deveria escrever um texto engraçado e como uma paródia. Depois que os detalhes foram concluídos, tudo o que faltava era imprimir o documento. A primeira edição consignou mil exemplares. Estes traziam a assinatura de Julio Ernesto Granda, campeão internacional de xadrez; Raúl Obando, histórico capitão do FBC Melgar, entre outras figuras importantes.

O primeiro documento foi entregue ao Presidente Belaúnde Terry, o segundo foi para a sua esposa, e o terceiro foi para o Presidente do Conselho de Ministros. Este passaporte tornou-se bastante popular com o grupo Gloria como o principal proprietário dos direitos. Mesmo quando o Papa João Paulo II chegou a Arequipa, ele recebeu seu passaporte de Arequipa.


b) Quem criou o passaporte de Arequipa?

Depois desses acontecimentos, Willy Galdós Frías, conhecido como o “Cônsul de Arequipa”, passou a ter sua autoria reconhecida no conhecido passaporte de Arequipa. Willy Galdós, narra que a ideia nasceu após ter sido expulso ou deportado da Venezuela, por não portar os devidos documentos. Ele conta que enquanto morava na serra, trabalhava fazendo adesivos que vendia. Quando foi deportado, já no avião, após uma conversa com um americano, que referiu que no seu país todos têm passaporte universal e podem entrar em qualquer nação.

Após o evento no avião, com a ideia em mente e pisar em solo peruano. Ele decide viajar para Arequipa. Ao retornar ao Vale do Rio Chili, decidiu visitar os gerentes da empresa Leche Gloria SA, propor-lhes o projeto e financiar a iniciativa de imprimir passaportes para servir de souvenir. Não recebendo confirmação ou resposta, o chamado cônsul de Arequipa partiu sem esperar nada. No entanto, em 1982, disseram-lhe que a referida empresa entregou o curioso documento aos seus trabalhadores após uma reunião dos principais executivos que visitaram a terra dos vulcões. Isso o motivou a iniciar uma reclamação no INDECOPI na época conhecido como ITINTEC. Depois de anos de batalha legal, Willy Galdós conseguiu provar que era o autor intelectual do documento. Obtendo assim a autoria do passaporte de Arequipa.


c) Acontecimentos históricos que narram a independência de Arequipa

Alguns acontecimentos históricos moldaram a identidade de Arequipa que pode ser expressa como “ser independente”. Esta forma de pensamento nasceu precisamente na campanha de libertação de Don José de San Martín. É narrado que quando este general proclamou a independência em Lima em 28 de julho de 1821, Arequipa e, claro, outras cidades, ainda estavam sob domínio espanhol ou sob bandeiras monarquistas. Lembre-se de que a mídia daqueles anos não era tão imediatista quanto agora. Segundo alguns relatos, Arequipa foi a última cidade a saber da proclamação da independência. Somente em 1823 Simón Bolívar chegou e mostrou os documentos que comprovavam a capitulação de Ayacucho. Após esta amostra, a Academia Lauretana deu a correspondente validade ao referido documento. Mais tarde naquele dia, a independência do Peru foi proclamada em Arequipa.

No entanto, este curioso detalhe histórico não é o único que mostra a independência de Arequipa. Anos após a proclamação da independência peruana contra a coroa espanhola. Outro evento ocorreu onde as necessidades geraram a criação de um primeiro passaporte legal. Durante o ano de 1882 e a guerra contra peruanos e chilenos estava em pleno curso. A capital peruana foi vigiada e nas mãos do Chile, o então presidente Francisco García Calderón, foi deportado para o Chile por se recusar a assinar o ato de rendição. Naquela época, Lizardo Montero, refugiado em Arequipa, tornou-se presidente provisório e instalou o Governo Nacional em Arequipa. Dando um decreto supremo em 1883 que ratifica o seguinte:

Após a proclamação deste decreto e por questões de segurança, ordenou a criação de um passaporte. Todas as pessoas que saíam do território de Arequipa com destino ao território ocupado ou ao exterior tinham que portar passaporte. Desta forma, foi criado o primeiro passaporte de Arequipa que impedia a entrada de espiões ou pessoas fora da defesa peruana. Este documento histórico tinha o nome de “Passaporte Diplomático da República Independente de Arequipa”. Ao longo dos anos, o povo de Arequipa guardou este documento histórico com muito orgulho.


d) Como é o passaporte de Arequipa?

O passaporte tem a forma de qualquer outro passaporte. Com forro marrom, semelhante ao passaporte peruano. Dentro do passaporte você encontra diferentes seções que beiram o absurdo e a paródia, todas com um final cômico. Sobretudo nas seções de “Identificação genética”, que pedem dados bastante controversos. Outra seção é dedicada a dados sobre curiosidades do povo de Arequipa. Ao longo do documento pode-se perceber que não descuida da comédia e em algumas páginas são apresentados dados históricos com desvios novamente para o cômico. Atualmente são bastante conhecidas pela população local e aos poucos foi conquistando espaço entre as vertentes culturais da cidade branca.

Para Willy Galdós, a criação de um passaporte de Arequipa não era suficiente, então ele decidiu criar com a mesma intenção algumas moedas e bilhetes que ele chama de “Los characatos de oro” em palavras de seu criador: “é a única moeda que nunca se desvaloriza”. São moedas feitas de liga de metais preciosos, valem três dólares. Os bilhetes, por sua vez, trazem as imagens de ilustres arequipanos como Francisco Mostajo, Mariano Melgar e Víctor Andrés Belaunde. Atualmente, Willy Galdós assina e carimba cada passaporte sob o título de Cônsul Vitalício de Arequipa.

 

Por Machupicchu Terra – Ultima atualização, dezembro 5, 2022


Mais guias que podem te ajudar

O que fazer de graça em Arequipa?

Arequipa é uma das cidades mais turísticas do Peru. O centro histórico da cidade abriga alguns dos pontos turísticos mais visitados. Muitos deles são gratuitos para todo o público. Para conhecê-los, basta caminhar e desfrutar de sua história, arquitetura e paisagens encantadoras. Saiba mais sobre alguns dos destinos gratuitos da ‘cidade branca’, sua localização, história e muito mais.

O que fazer de graça em Arequipa?

Fauna e flora na região de Arequipa

No território de Arequipa você encontra uma grande variedade de espaços geográficos. Nesse sentido, é normal encontrar uma grande variedade de flora e fauna. Como exemplo podemos ver que Arequipa abriga um dos animais mais saborosos da gastronomia peruana: o camarão de rio. Também podemos encontrar o gato andino e no mar uma variedade de peixes e pássaros.

Fauna e flora na região de Arequipa