O Cânion do Colca

O Cânion do Colca é a maior atração turística de Arequipa e o segundo mais visitado do Peru, depois de Machu Picchu. Sua geografia acidentada é o lar de uma rica variedade de flora e fauna, bem como de povos andinos com muitas tradições. De lá é possível ver o vôo dos condores, as aves mais populares dos Andes. Você também pode praticar esportes de aventura e desfrutar de incríveis paisagens. Sem dúvida, é um dos destinos turísticos que deve visitar.


O que é?

Colca é um vale e Cânion localizado no coração da Cordilheira dos Andes. É um dos cânions mais profundos do mundo, atingindo 4.160 metros de profundidade (até o dobro da profundidade do 'Grande canion' nos Estados Unidos). Sua geografia acidentada foi formada há mais de 150 milhões de anos. Ali se instalou uma grande variedade de flora e fauna, onde se destaca a presença do condor andino, maior ave voadora do mundo.

Atualmente, no vale e cânion do Colca, é a segunda atração turística mais visitada do Peru (só depois de Machu Picchu). Durante a viagem, o visitante visita cidades andinas com muita tradição como Coporaque, Yanque, Maca, Chivay e muito mais. O percurso inclui uma trilha de caminhada e a opção de relaxar em banhos termais ou praticar esportes de aventura. Os passeios partem da cidade de Arequipa.

Onde está?

O cânion do Colca está localizado no meio da Cordilheira dos Andes, no sul do Peru. Pertence à cidade de Chivay, província de Caylloma, região de Arequipa.

Geografia e altura

O ponto mais alto é o nevado Ampato, localizado a 6.288 metros de altitude. O ponto mais baixo é o Andamayo, a uma altitude de 970 metros. Todo o vale do Colca ocupa uma área de 100 quilômetros quadrados. Está localizado a 165 quilômetros da cidade de Arequipa (e a 40 quilômetros da cidade de Chivay).

Como chegar?

O ponto de partida é a cidade de Arequipa, de onde se deve pegar um transporte em direção à cidade de Chivay (viagem de 3 horas aproximadamente). A cidade de Chivay, capital da província de Caylloma, é onde se encontra a maior oferta de alojamentos próximos. De lá você deve caminhar para chegar ao cânion do Colca.

Mapa

História

Centenas de anos atrás, o Vale do Colca foi habitado por várias culturas andinas, desde pequenas cidades pré-incas até os povos atuais que tomaram muitos dos costumes andinos como seus. Os primeiros vestígios do homem no Colca datam de 6.000 aC, época dos caçadores-coletores de camelídeos. Em 900 aC, os grupos humanos Cabanas e Collaguas se estabeleceram ali. A primeira grande civilização que construiu plataformas e recintos foi a cultura Wari (600 DC - 1200 DC), que precedeu a civilização Inca.

Os Incas, que chegaram ao Vale do Colca no século XV, melhoraram e expandiram os terraços agrícolas e os sistemas de irrigação. Os incas também criaram estradas e colcas (lojas de alimentos). Depois, em meados do século XVI, os espanhóis conquistaram o território impondo as suas leis e sujeitando a população local ao regime de trabalho 'encomienda'. Como traço, permanecem as igrejas coloniais de estilo barroco. Desde a década de 1970, o número de visitantes aumentou. Hoje, o Cânion do Colca é a segunda atração turística mais visitada do Peru.

Flora

O cânion do Colca possui um ecossistema andino, que é habitado por diferentes espécies de árvores e plantas, tais como: matas queñua, ichu (também conhecido como capim-puna), bofedales, yaretas, cactos, tolares, a puya Raimondi, entre outras.

Fauna

Assim como os ecossistemas, a fauna do cânion do Colca é variada. Atualmente 231 espécies de vertebrados estão registradas. Algumas espécies se destacam, como: o condor andino, a parihuana, a lhama, a alpaca, a vicunha, a taruca, a raposa andina, a vizcacha, o falcão peregrino, a ajoya, entre outras. Algumas dessas espécies estão em perigo de extinção e em situação vulnerável.

O vôo do condor

No Cânion do Colca você encontrará um dos mais famosos espetáculos da natureza do Peru: o vôo do condor. No mirante 'Cruz do Condor' é possível apreciar o vôo de até 20 dessas aves, consideradas o símbolo da Cordilheira dos Andes.

O condor andino é considerado a maior ave voadora do mundo. Tem uma altura de 1,3 metros. Com asas estendidas, atinge 3,5 metros de extensão. Ele pesa entre 11 e 13 quilos. Eles se alimentam principalmente de carniça. Eles vivem entre 50 a 75 anos. Para a cultura Inca, eram pássaros sagrados que comunicavam o mundo dos deuses (hanan pacha) com o mundo terreno (kay pacha).

Povos andinos

Ao longo do cânion do Colca, várias cidades andinas cheias de história se instalaram ao longo dos anos, como: Yanque, Achoma, Maca, Pinchollo, Cabanaconde, Coporaque, Ichupampa, Lari, Madrigal e Chivay (capital da província de Caylloma). Além das belas paisagens (como as montanhas do Ampato, Coropuna, Solimana e Huallahualca), essas cidades são repletas de história, vestígios arqueológicos e, acima de tudo, muitas tradições.

O Cânion do Colca

O Cânion do Colca tem uma profundidade de 4.160 metros, sendo o segundo mais profundo do mundo (atrás apenas do Yarlung Tsangpo da China, que tem 5.590 metros de profundidade). A pesquisa indica que o cânion foi formado há cerca de 150 milhões de anos. Existem inclinações de até 60º. Em seus arredores você pode ver florestas de pedra. Destacam-se também as cavernas ou grutas onde foram encontrados restos de cerâmica, pinturas rupestres, fósseis e até restos humanos.

Esportes de aventura

Durante a viagem ao Cânion do Colca poderá praticar diversos desportos de aventura como escalada, ciclismo, canoagem mas, sobretudo, percursos pedestres. A grande maioria destes passeios duram 3 dias e 2 noites e começam na vila de Cabanaconde. As seções estão repletas de paisagens espetaculares. Atravessa rios, lagoas, cidades andinas e mirantes.

Banhos termais

Os povoados que cercam o cânion do Colca oferecem banhos termais originados há milhares de anos a partir dos vulcões que dominam a cordilheira dos Andes. Destacam-se os banhos termais nas localidades de Chivay (os banhos La Calera), Yanque os Chacapi), Callalli (os banhos incas) e Caylloma (os banhos Coñeymayo). As águas desses atrativos naturais têm temperatura que varia de 36ºC. até 50ºC e possuem elementos que aliviam dores musculares e reumáticas como: cálcio, zinco, ferro e outros. O preço de admissão a esses lugares varia de 1 sol peruano a 15 soles peruanos.

Quanto custa a visita?

Existem vários tipos de passeios ao Cânion do Colca. A alternativa mais popular é o serviço de 1 dia (Full Day), que custa aproximadamente US $ 25 por turista e inclui: transporte, café da manhã e guia turístico. Este passeio não inclui a entrada no cânion, que custa 70 soles peruanos adicionais (aproximadamente 22 dólares americanos).

Os tours de 2 ou mais dias (mesmo aqueles que incluem trilhas para caminhadas) custam entre US $ 35-50 por pessoa. Também existe a opção de ir por conta própria. Para isso, é necessário pegar o transporte público da cidade de Arequipa até Chivay e comprar a passagem na entrada do cânion do Colca.

Clima

O clima no Cânion do Colca é frio. A estação chuvosa vai de novembro a abril. Nesses dias a temperatura atinge o mínimo de 4ºC. (39,2ºF) e um máximo de 24ºC. (75,2 ° F). A estação seca vai de maio a outubro. Nesses dias, a temperatura mínima cai para -8ºC. (17.6ºF) enquanto pode ir até 20ºC. (68 ° F). Mesmo assim, esse ponto turístico pode ser visitado todos os dias do ano.

Quando devo ir?

A melhor época do ano para visitar o Cânion do Colca é durante a estação seca (de maio a outubro) porque nesses meses as chuvas são pouco frequentes, pelo que é uma boa altura para passear ao ar livre. No entanto, para alguns visitantes, é agradável ir durante a estação das chuvas (principalmente janeiro, fevereiro e março), pois as paisagens ficam mais verdes.

O que eu devo trazer?

Fotos do Cânion do Colca

Cañon del Colca - Arequipa
Cañon del Colca - Arequipa
Cañon del Colca - Arequipa
Veja mais fotos de viajantes

Mais informação

Na área que compõe o vale e o Cânion do Colca, existem vestígios de culturas primitivas que habitaram esta área geográfica, tais como: os petróglifos de Sumbay e Toro Muerto (etnias anteriores aos 'Collahuas'). Essas imagens mostram dançarinos, cabeças de animais, condores e outras figuras estranhas.

Em 1630, uma mina de prata, cobre e ouro foi descoberta na área do vale do Colca. Isso causou uma exploração e interesse nesta área andina. Então, por volta de 1920, os aviadores Robert Shippee e George Jonson fizeram uma expedição no local dando a conhecer ao mundo a imensa profundidade do cânion.

Dicas para sua visita

O Cânion do Colca é um destino turístico de geografia acidentada que precisa ser visitado na companhia de um guia turístico. Os turistas que vão por conta própria podem conseguir um na porta de entrada. Lembre-se que você pode sofrer acidentes se tiver coragem de enfrentar as ravinas e as estradas íngremes deste lugar.

Devido à altitude elevada é comum que durante a viagem ao Cânion do Colca os turistas sintam alguns dos sintomas do mal-estar da altitude (náuseas, cansaço, falta de ar ao praticar actividades físicas). Para diminuir esses sintomas, é recomendável beber bastante água e se aclimatar com a geografia da cidade de Arequipa, pelo menos 1 ou 2 dias antes.

Atracções turísticas perto de O Cânion do Colca

O povoado de Cabanaconde

Cabanaconde é a porta de entrada para o Colca Canyon. É famoso pelo Mirante 'Cruz del Condor'. Fica a 215 km da cidade de Arequipa.

O povoado de Cabanaconde

O povoado de Chivay

Chivay é a porta para o Desfiladeiro do Colca. É famosa pela dança dos wititis, os banhos termais La Calera, sua igreja colonial e suas belas paisagens.

O povoado de Chivay

Miradouro do condor no Colca

O mirador 'Cruz do Condor', o mais famoso do cânion do Colca, permite ver o voo do condor andino, um dos espetáculos mais visitados do Peru.

Miradouro do condor no Colca